Roteiro Turístico

PATRIMÓNIO NATURAL:
 
O aprazível e vasto espaço florestal, os socalcos e os vales da Freguesia, onde se descobrem árvores que surpreendem “pela sua rara beleza, imponência e até mesmo pela sua configuração”. No casal do Monte, merece especial referência, um “carvalho roble, que tem provavelmente mais de setecentos anos”. Joaquim Santos, colmeense muito apreciador dos encantos da sua terra, ficou deslumbrado perante a sólida árvore, e pediu ao Dr. Arménio Vasconcelos (advogado e engenheiro técnico-agrário) que o fosse conhecer. A opinião do especialista comunga da mesma emoção: “(…)Inesperadamente, no ínicio da subida do Outeiro, depara-se-me, frondoso. Altaneiro, um exemplar botânico bem português, bem lusitano, de porte majestoso e belo: um «carvalho roble de rara dimensão e força».
Parei. Apreciei a sua altura, calculando-a em bem mais de trinta metros; medi a passos largos a frondosidade da sua copa e calculei, sem grande erro, ser de mais de quarenta metros; medi o perímetro do seu tronco e constatei ser de mais de três metros e meio. Atribuí-lhe a vetusta existência de mais de sete séculos.
Os raios de sol penetravam até ao centro da árvore, em milhentas linhas, dando-lhe um ar encantado. Daí irradiavam os ramos que, por si só, eram enormes árvores, oferecendo-me imagens que dificilmente esquecerei. (…)
E quando me despedi com um «até à vista», certo de que não passariam muitos sóis sem o revisitar, logo me aparece um outro a escassas centenas de metros, como que se tratando de um filho adulto daquele que tanto me impressiona.
Sim, é verdade. Colmeias criou nas suas entranhas estes belos exemplares, centenários, enormes, belos.
Venha conhecê-los. Eles esperam. E todos se vão sentir bem. (…)”
 
PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO:
 
Os abundantes vestígios arqueológicos encontrados na região, como as sepulturas escavadas na rocha, uma das quais situada junto ao lugar de Farraposa, no local conhecido por “Caixão de Pedra”. Segundo os estudos efectuados, o defunto era depositado no interior da sepultura, embrulhado num lençol, normalmente sem qualquer objecto pessoal, e depois, a urna era coberta com uma tampa, ou apenas por terra e pedras.
Duas sepulturas grosseiramente talhadas na rocha podem ser observadas no lugar do cabeço do Pedrogo, embora apenas uma esteja totalmente visível, porque a segunda está parcialmente escondida por terra e mato.
Nas proximidades do cabeço do Tojal, existe uma lagariça ( de data posterior ao século XIII), integrada numa extremidade de rocha arenítica, composta por dois depósitos, o primeiro, quadrangular, com cerca de 1,5 metros de largura, escavado a pouca profundidade, onde se pisariam as uvas; e o segundo, consideravelmente mais pequeno mas fundo, para onde se encaminhava o mosto.
 
A VISITAR:
 
• Igreja Paroquial de São Miguel das Colmeias
Construída por volta de 1754, este é um dos mais belos templos rurais de Leiria. O enquadramento num pequeno monte favoreceu muito o conjunto que forma com a escadaria e as belas palmeiras que ladeiam a sua fachada.
Templo de uma só nave, possui um tecto de madeira, dividido em cinco planos, e apresenta, no principal, um painel de estuque em que figura o Orago, rematado por diversas ornamentações da autoria de José Pires Martins (artista leiriense).
Na nave, destacam-se quatro altares, dois colaterais e dois laterais; e na capela-mor, de abóboda, ressalvam-se um retábulo de talha dourada e o trono de degraus para a exposição solene do Santíssimo. Na parede da fachada, por cima do coro, separado da nave por grades de madeira, há um vitral representado São Miguel.
No Inventário Artístico de Portugal, Gustavo Matos Siqueira refere-se à imagem de São Silvestre que se encontra no altar colateral do Evangelho. Trata-se, segundo ele, de uma escultura de pedra, de finais do século XVI, policromada, com cerca de 70 centímetros de altura, herança da Ermida de São Silvestre da Ribeira, demolida em 1803 3 posteriormente reconstruída.
 
• Igreja de São João Baptista
Localizada no lugar do Barracão, esta Igreja foi inaugurada no dia 22 de Setembro de 2002.
 
• Capela de Nossa Senhora da Piedade
Situado em Igreja Velha, este Templo foi sede da paróquia de São Miguel das Colmeias, entre 1700 e 1760. Os trabalhos de edificação deste Templo iniciaram-se no reinado de D. Afonso Henriques (1128-1185), o que faz dele um dos mais antigos do bispado de Leiria. Adoptou a sua invocação actual depois da transferência da sede paroquial para o lugar de Eira Velha.
 
• Capela - Memória
 
• Capela - Casal do Monte
 
• Capela - Eira Velha
 
• Alminhas
As Alminhas de São Silvestre e o painel de Alminhas da Senhora do Ó, na estrada da Bouça, onde foi colocado em 1664.
 
• Ponte da Madalena
Inaugurada pela Rainha D. Maria II, no ano de 1856, actualmente circula, por esta passagem, o Itinerário complementar 2 (IC2).